quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

O que é a médiamania?



Por Manuel Luciano da Silva, Médico

Média + Mania

MÉDIA é o termo genérico de comunicação por meio da escrita, do telefone, do fax, da rádio, da televisão, do cinema e ultimamente por meio das variadas formas da Internet: (Blogs, Twitter, FaceBook, páginas pessoais, websites, etc.)

MANIA é uma palavra grega que significa “estado irritável, ou fúria”. É oposto à depressão. Um indivíduo que seja maníaco-depressivo – hoje é mais chique dizer-se Bipolar – tem períodos psiquiátricos de altos e baixos: de agitação e de depressão.

Uma pessoa que sofra de mania está sujeito a ilusões de grandeza, de agressão e até de homicídio. Esta pessoa pode ter até um fascínio pelos Médias!

Megalomania é uma palavra composta por “magalo” igual a “grande” mais mania. É uma pessoa que tem a mania das grandezas!

Nós sabemos, medicamente, que no mundo há 2% de seres humanos que sofrem de doenças mentais. Portanto entre seis biliões de pessoas que existem na terra 120 milhões são doentes mentais!

Os membros dos Médias também sofrem da Médiamania!

Os Editores e Directores dos jornais, revistas, da rádio e da televisão também sofrem da médiamania porque glorificam os maus cidadãos: os ladrões, os criminosos, os assassinos. Fazem largas manchetes das más notícias, salientam-nas nos noticiários e repetem-nas inúmeras vezes até nausearem!

Em contrapartida menosprezam ou IGNORAM as boas notícias, os bons actos dos cidadãos, como actividades culturais, de fraternidade e assistências social.
Porque é que os jornais, as revistas, os programas de rádio e televisão têm maior audiência quando glorificam as notícias más?

Porque uma grande percentagem das massas tem uma apetência, têm um mau carácter, tem culpas no cartório e querem ver notícias más para comparar o seu mau íntimo e sentirem-se aliviados e concluir: “afinal ainda não fui apanhado, continuo a safar-me!”

 A culpa é dos Directores dos Médias

Nos Estados Unidos da América e pelo resto do mundo vemos com frequência assassinatos, muitas vezes até massacres e logo os meios de comunicação vão numa Maratona e interrompem até os seus programas regulares, para glorificar o feito do assassínio, para o reporter poder satisfazer a sua índole sadista, dramática e cruel de informar o grande público o mais rápido possível! Os Directores dos Médias esquecem-se que ao glorificarem os criminosos estão a gravar na história os nomes desses tarados e malvados, ao mesmo tempo que estimulam, dando os maus exemplos a outros indivíduos que sofrem de doenças mentais como a médiamania. Parece que toda a gente quer ficar na história, quer aparecer na TV. É por isso que o Face Book tem crescido duma maneira fenomenal! Aqueles indivíduos que sofrem de médiamania são muito mais susceptíveis a serem influenciados pelas manchetes que os Médias vangloriam!

Está torto! Os Directores dos Média baseando-se na Lei da Liberdade de Expressão estão a prestar um mau servido às Comunidades onde vivemos, em vez de salientarem as notícias boas enaltecendo os bons exemplos às camadas jovens e a todos os cidadãos. Isso seria um serviço excelente para a Nação!

Os Médias não deviam publicar os nomes dos criminosos, apenas as iniciais deles, nem tão pouco publicar as fotos deles. Assim eles ficariam a saber de antemão que não iam ficar com o seu nome na história!

6 comentários:

TINTINAINE disse...

A palavra «Media» em inglês lê-se «Midia» Talvez por isso já há, em Portugal, quem se refira à Comunicação Social como «Os Mídia»
Não gosto de ouvir os "intelectualerdas" portugueses a usar esta expressão e muito menos «Os Média», pois nem uma nem outra fazem sentido.
Não sou contra o uso de anglicanismos, mas para isso exijo que os tratem bem. Se quiserem referir-se aos «Meios» de Comunicação podem usar o "shortname" Media (escrevendo-o desta forma) e pronunciando "Midia" como se impõe.
E, a respeito daquilo que escreve o Dr. Luciano, não podia estar mais de acordo.

Piko disse...

Os termos técnicos ficam para ser aplicados por quem se especializou, fez disso a sua vida e está à altura de os discutir!
Não é o meu caso, mas a escola da vida, que todos temos, dá para perceber que esse tipo de pessoas sempre existiu, independentemente da classe social e da profissão! Será uma doença, mas, se o for, não creio que seja fácil de curar... E porquê?
Boa pergunta, mas eu creio que à partida para ter tratamento, será necessário admitir a doença... Ora, aqueles casos que conheço melhor, viverão dentro da bitola já conhecida, porque vivem a alimentar a falha, ou falhas de personalidade, sentem-se na maior e a sociedade é que se amola, como se diz lá para a beira do Douro...
Este tema, parece-me, é bem mais difícil de suportar nas sociedades democráticas, porque esta esta ESPÉCIE, quando chega aos cargos públicos, são difíceis de parar e o que não tem gracinha nenhuma é que é o "Zé pagode" que com o seu "voto ignorante" vai dando continuidade a "reinados" seguidos a tamanhas grandezas, que tanto ocupam as cabecinhas de maníacos depressivos, ou lá o que são, sabendo nós, que não é justo e muito menos correcto ter de os suportar, apesar duma paciência milagrosa e já crónica de um povo que vai resistindo, porque é crente, chega até a ser bondoso e prestável, mas, que, volta que volta, também não resiste a favorzinhos aos autarcas, aos chefes das empresas, aos médicos de família e sei lá mais a quem... sendo a base de sustentação para um mal estar que acaba por contaminar o estado de espírito duma nação que adoeceu dum mal crónico, pior que o cancro, porque este mal está a ser combatido e há boas perspectivas para uma possível cura, enquanto que para os tais males do carácter não há fim à vista!...
Onde já íamos e o que havia ainda por contar!...

Valdemar disse...

Depois de uma atenta leitura do que públicou o Artur e dos comentários do Tintinanine e Piko entro apenas para informar que fiquei mais forte culturalmente depois de tudo isto.
Muita força e continuem a gente reconhece.

Fuzo de agua doce disse...

Pois é isso mesmo, quando «cheira a sangue» aí temos a Comunicação Social em peso, eu há muito que perdi a paciência (se alguma vez a tive) para este tipo de informação, ás vezes até me custa, quando a Filha aqui vem e está na hora dos Telejornais, eu mudo logo de canal, e ela como anda todo o dia a trabalhar gostava de se por ao corrente das Noticias, mas não suporto, não haver nunca uma boa Noticia para abrir um Telejornal, eu já sou de baixo astral como dizem os Brasileiros, e se for papando as todas as noticias negativas que me querem impingir, com o vagar que agora tenho, dou em doido.
Vou vendo as Noticias através da Internet e já me chega.
Um abraço
Virgílio

edumanes disse...

Depois de ter lido, o artigo e, os comentários que ao mesmo se seguem. Não posso, nem devo, discordar, com eles, porque todos falam verdade. Para mim é o garante da personalidade do ser humano. Á qual me sinto orgulhoso de pertenver.

J. Rosa Silva disse...

Inteiramente de acordo com o artigo do
DR. LUCIANO e dos comentadores.
Assenta que nem uma luva aos Media do nosso País.
Um abraço