terça-feira, 28 de junho de 2011

MONÓLOGO DA VAGINA BÊBADA.

...oOo...
Uma mulher bela e elegante sai de um bar com uma enorme bebedeira. Caminha em direcção do seu automóvel, um BMW novíssimo e, com a chave, tenta abrir a porta mas o seu estado alcoólico não o permite. Quando se baixa um pouco para se aproximar da fechadura acaba por cair e ficar sentada de pernas abertas ao lado da porta. Desesperada com a situação, olha para baixo e reparando que não tem cuecas começa a falar com a sua própria vagina:
- Tu pagaste o carro... tu pagaste as jóias... tu dás-me tanto dinheiro... tu pagas a casa que comprei... tu permites que escolha o homem que me apetecer... tu...
De repente começa a urinar-se e diz:

- Não precisas de chorar que eu não estou zangada contigo!

5 comentários:

TINTINAINE disse...

Sim senhor, grande história de ... vida!

edumanes disse...

Esta tem muito mais graça, do que as anedotas dos alentejanas?
Ter uma vagina tão trabalhadora não precisa de se preocupar, porque ela consegue amealhar muito dinheiro. O pior será quando chegar à idade da reforma. Aí bem pode chorar à vontade!...

Anónimo disse...

Se as vaginas falassem... estávamos feito ao bife!
Valdemar Alves

Anónimo disse...

É de boa disposição que o meu Povo gosta, e cá para o pessimista estas histórias calham que nem ginjas, é sorriso de orelha a orelha.
Um abraço
Virgílio

António Querido disse...

Essa coisa, tão bela e apetitosa, chora sem que lhe batam, ri sem mostrar os dentes, e abre-se sem ser preciso saca rolhas, por isso as adoramos!