terça-feira, 7 de dezembro de 2010

EM TEMPO DE MENTIRA...

É impossível não reparar nas notícias que diariamente são publicadas pela Comunicação Social deste País. E se efectivamente nos importamos com o que se passa em Portugal, temos que deplorar o constante deflagrar do desmoronamento que os responsáveis políticos querem que o país atravesse. Senão vejamos: - Em Braga a construção de uma estrada de acesso ao novo hospital com apenas um quilómetro de extensão vai custar 8 milhões de euros. Em tempo de enorme e perigosa crise para o País não há ordens para que o malfadado TGV se não construa. Uns "poucos" bilhões de Euros. Nos Açores o Sr. Carlos César que se julga o César romano dos tempos modernos, deu ordens para que se não corte ao funcionalismo público da Região os cinco por cento que todos os funcionários do Continente e da Madeira terão que sofrer nos seus vencimentos. Os Gestores da Portugal Telecom continuam a usufruir de ordenados que nem o mais arrojado príncipe das Arábias tem a ousadia de receber. As falcatruas devidamente provadas em determinadas empresas estatais sujeitas a relatório conciso e em que se provam, são simplesmente fechadas em recatadas gavetas e não são publicadas... como seria de direito esperar que acontecesse. Os Alegres e Soares deste tempo passam a vida uns a dizer mal do Presidente da República e o outro a aconselhar os governantes a gastar menos, ele que foi o paradigma dos gastos incomensuráveis em viagens e passeios anafados à volta do mundo à custa do erário público, além do que é sobejamente conhecido em malabarismos e negócios meio escondidos e meio publicados... Enfim, como diria o Zé Povinho "é um ver se te avias" constante e ainda mais deplorável por se saber que os homens em vez de governar um País já em plena decadência, mesmo assim, governam-se... E ainda dizem mal do falecido enterrado no Vimieiro ali para os lados de Santa Comba. E ele bem nos avisou... Em cada dia que passa mais me convenço que apesar das suas atitudes ditatoriais o Homem tinha razão, por isso morreu pobre e que eu saiba vestia-se modestamente com fatos confeccionados em Portugal e não em Nova York... nem tinha aviões luxuosos e caros que o levassem mesmo só à fronteira para conferenciar com Franco. É caso para dizer que se mudam os tempos e se moldam as atitudes à vontade dos perdulários mordomos e não com a sobriedade própria de homens honestos e honrados... Benjamim Franklin um dos maiores e mais honrados Presidentes dos Estados Unidos da América dizia que «para suportar as aflições dos outros, todo o mundo tem coragem de sobra»... Mas...«abrir o coração às angústias dos que batem à nossa porta é que é difícil»... como diria o escritor J.Sèvre. E os homens públicos, continuam a comportar-se como sempre em tempo de mentira, como homenzinhos com pouco cérebro e muito pouco senso.

José de Viseu

3 comentários:

TINTINAINE disse...

Eu já escrevi uma peça que se chamava «Volta António que estás perdoado» e de que alguns dos leitores mais esquerdistas não gostaram muito, mas cada vez estou mais convencido que em democracia não vamos a lado nenhum.
Temos que gramar outro António se queremos endireitar isto, não há outro remédio.

Valdemar disse...

Enquanto a cultura das cunhas e padrinhos perdurar a democracia em Portugal nunca funcionará.
Valdemar Alves

Fuzo de agua doce disse...

Concordo que estamos entregues a corruptos e sem vergonha que infelizmente parece que vieram para ficar, já com respeito ao António da «Calçada», e concordando que foi Pessoa séria, morreu pobre, com muito ouro pelas caves do Banco de Portugal, neste caso morreu como deixou Portugal, pobre, analfabeto, com uma policia politica e bufaria por todo o lado, e umas Colónias que acabariam por matar e deixar incapacitada muita da nossa Juventude dos anos 60 e 70 por incapacidade de ver os «ventos da História» e que seria seguida pelo seu sucessor Marcelo.
Um abraço
Virgílio