sábado, 6 de março de 2010

Violaram cabra...

...e o dono do animal exige casamento!
Dois jovens de Matsinho, Gondola, centro de Moçambique, foram apanhados pela polícia a manter relações sexuais com uma cabra e agora os donos do animal exigem indemnização e casamento. O caso está em tribunal.
O caso de "flagrante delito" aconteceu na semana passada, no distrito de Manica, e fonte ligada ao dono da cabra disse à Lusa que o mesmo exige que os jovens sejam condenados em tribunal a casar com o animal.
Os jovens, cuja identidade não foi revelada, terão sido apanhados a manter relações com a cabra no âmbito de uma espécie de ritual satânico.
"No preciso momento que fui ver, a cabra apresentava corrimentos, o sexo estava inchado. Um dos jovens estava nu enquanto segurava a cabeça, e outro a fazer sexo com o animal", contou uma testemunha quando da detenção policial.
Mário Creva, a testemunha, disse que o caso se deu numa pequena mata na zona de Mbucuta, arredores do posto administrativo de Matsinho.
O procurador distrital de Gondola, Leonides Mapasse, confirmou hoje à Lusa ter remetido o caso ao tribunal distrital para efeitos de julgamento.
"Recebi o caso e já remeti ao tribunal. Mas os jovens serão ouvidos em juízo por furto simples qualificado e não necessariamente por prática sexual, pois a nossa Constituição não acomoda este tipo de acto", disse à Agência Lusa Leonides Mapasse.
Fora do processo-crime, acrescentou o magistrado, o ofendido (proprietário da cabra) pode intentar processo civil e moral contra os dois jovens pela prática sexual com a cabra.
O proprietário da cabra, segundo fonte familiar, exige o casamento e que jovens sejam condenados a ressarcir os danos causados à cabra, além de terem de pagar "lobolo", um ritual tradicional que reconhece a união marital e segundo o qual o homem compensa a família da mulher.
O tribunal distrital de Gondola deverá julgar os jovens num processo sumário ainda este mês.

3 comentários:

TINTINAINE disse...

Isto parece uma daquelas paródias radiofónicas do famoso «Parafuso» no Rádio Clube de Moçambique.

Artur/Leiria disse...

Aqui é a doer, pá!
É a pura da testosterona em acção! Com ela vale tudo, nem que seja no bigode dum polícia…

Agostinho Teixeira Verde disse...

Apareceram dois moços novos
E a cabra a cheirar a catinga
Misturaram animais com povos
Depois, pimba, pimba!
Não fiquem admirados
Que aqui em Portugal
Há alguns desalmados
Capazes de fazer igual
Com nova lei de casamentos
Ousam levar vestidos brancos
Casam cabras com jumentos
Parecem cordeiros mansos
Assim estes cavalgaduras
Com alianças nos dedos
Nos pés umas ferraduras
Umas clinas nos cabelos
Não restam dúvidas amigos
Quanto à lua-de-mel
Porque os papa-figos
Encontram-se por cá a granel
Portanto, nada de estranhar
Do casamento de cabras e cabrões
O registo civil está a funcionar
Anda tudo aos trambolhões
Houve até uma pulga
Que casou com um piolho
Quem casa não julga
O gajo era zarolho
Querem fazer matrimónio
Da esquerda com a direita
Sendo assim, arre demónio!
Que a coisa não se ajeita
A esquerda já era torta
A direita torta fica
Mas isso pouco importa
É um casar à rica!
Parece inquestionável
Que não morram de amores
Mas o que é mais palpável
São um bando de estupores
Para acabar com a "ressaca"
Em tom de brincadeira
Estão correndo papéis duma vaca
Para não ficar solteira!