quinta-feira, 4 de março de 2010

O meu tabagismo



Vem isto a propósito porque o Vigilo Miranda no seu blogue “Marujo de água doce” inseriu um artigo sobre tabagismo e, como conversa puxa conversa; conversa vai… Os fumadores que me desculpem, porém sabeis que a verdade dói e que no fim o não fumar, é um bem comum, como muitos de vós, ao sabê-lo, o têm afirmado…

Criança de 11 anos, eu e um colega de escola (Industrial & Comercial), na encosta do castelo de Leiria arranjamos poiso, como casota artificial debaixo dumas árvores cerradas, onde guardávamos uns cigarritos e umas guloseimas para nos deliciarmos à saída da escola. Quanto ao tabaco, não sei porquê mas ficou por aí. Seria porque o meu pai nunca o fez, ou talvez porque o vício não teve a oportunidade de amarinhar por este corpo adentro, que mais tarde, devido ao culturismo talvez, só pensar em tabaco era crime e pecado! Vou para a Marinha onde o fumo fazia parte e hábito da vida de muitos escolas.
Em Moçambique; tenho o (des) privilégio de ter visto colegas a darem 20 paus, como se dizia, por um cigarrito! (…)

Ora, não é preciso ser-se engenheiro de foguetões para se compreender, o que todo o corpo do reino animal precisa para uma vida salutar: é pois, ar puro de, e com oxigénio, muito oxigénio e ainda mais oxigénio para que através dos nossos, mais do que acinzentados pulmões, se possa purificar o nosso sangue; super lotado de toxinas do excesso de químicas que vão por aí! Não bradem aos céus que ninguém vos ouve! Porque o dinheiro pode e manda! E o mal são batatas…

Na altura era “cool”; (ter estilo) fumar-se para impressionar o homem da bilheteira quando se queria ver um filme para adultos, quando não se era ainda. Impressionar a garota que estava debaixo de olho, porque assim dar-se-ia aquele aspecto de homem que já ganhava para sustento de vícios! Imitava-se os/as grandes vedetas do cinema onde o estilo era sinónimo de talento, talento era sinónimo de sucesso que em suma traz rios de dinheiro… e com dinheiro conquista-se o mundo!

Ano de 1968, tenho a oportunidade numa exibição/feira em Toronto de ver algo impressionante! Três jarros tipo galão de vidro com um líquido preservador e com um pulmão em cada um.

No primeiro, estava um pulmão vermelho grande como se fosse carne do talho, com um dístico por baixo dizendo: pulmão de lavrador não fumador! No segundo, um pouco mais pequeno, de cor cinzenta dizendo: pulmão de habitante de cidade não fumador. No terceiro, um pulmão mirrado que mais parecia uma passa de figo preto, de aspecto horrível dizendo: pulmão de fumador pesado! Simplesmente horrível!

Ora aí está o mundo da discórdia, do faz bem/do faz mal, tudo por causa do dinheiro…

É isso, sem dúvidas é isso mesmo!

2 comentários:

Valdemar disse...

Que maravilha de Testemunho.
São testemunhos como estes, que muito podem ajudar para que Jovens de hoje possam compreender o mal que faz o tabaco.
Seja no Campo económico, no higiénico e o mais importante de todos o da nossa Saúde.
O Meu Pai morreu de Cancro. Primeiro cortando a larinje ficando sem fala e, anos muito mais tarde veio o cancro no pulmão e vitimou.
Sim o meu Pai era fumador e isso contribuiu e de que maneira para eu desde os sete anos lhe começar a roubar cigarros.
Mas também irei tratar o Tabagismo no meu Blogue. Parabéns pelo Testemunho.
Dar exemplos não é a melhor forma de incentivar, mas sim a única.
Pela sua saúde não fume.

Anónimo disse...

Amigo Leiria
Faço minhas as palavras do Amigo Valdemar, se nós com os testemunhos que aqui dermos ajudarmos a deixar o vicio, nem que seja um só Homem ó Mulher, já fizemos um bom trabalho
Um abraço
Virgilio Miranda