sábado, 11 de setembro de 2010

ADVOGADOS X ADVOGADOS

História real e que ganhou o primeiro lugar
no Criminal Lawyers Award Contest.


Um advogado de Charlotte, NC, comprou uma caixa de charutos muito raros e muito caros.
Tão raros e caros que os colocou no seguro, contra fogo, entre outras coisas.
Depois de um mês, tendo fumado todos eles e ainda sem ter terminado de pagar o seguro, o advogado entrou com um registro de sinistro contra a companhia de seguros.
Nesse registo, o advogado alegou que os charutos haviam sido perdidos em uma série de pequenos incêndios'.
A companhia de seguros recusou-se a pagar, citando o motivo óbvio: que o homem havia consumido seus charutos da maneira usual. O advogado processou a companhia...
E GANHOU !!!

Ao proferir a sentença, o juiz concordou com a companhia de seguros que a acção era frívola.
Apesar disso, o juiz alegou que o advogado 'tinha posse de uma apólice da companhia na qual ela garantia que os charutos eram seguráveis e, também, que eles estavam segurados contra fogo, sem definir o que seria fogo aceitável ou inaceitável' e que, portanto, ela estava obrigada a pagar o seguro.
Em vez de entrar no longo e custoso processo de apelação, a companhia aceitou a sentença e pagou US$ 15.000,00 ao advogado, pela perda de seus charutos raros nos incêndios.

AGORA A MELHOR PARTE:
Depois que o advogado embolsou o cheque, a companhia de seguros o denunciou, e fez com que ele fosse preso, por 24 incêndios criminosos !!!
Usando seu próprio registo de sinistro e seu testemunho do caso anterior contra ele, o advogado foi condenado por incendiar intencionalmente propriedade segurada e foi sentenciado a 24 meses de prisão, além de uma multa de US$ 24.000,00.

MORAL DA HISTÓRIA
Cuidado com o que você faz! A outra parte também pode ter um advogado:
melhor e mais esperto!

1 comentário:

TINTINAINE disse...

Se há bicho que não é do meu agrado, é advogado.
Esta história faz-me lembrar o «Processo da Casa Pia» onde os arguidos, agora condenados a penas de prisão efectiva, já gastaram tudo o que tinham para pagarem aos advogados. E agora são os advogados que, em altos berros, avisam já que vão recorrer para quantos tribunais superiores puderem, incluindo o dos Direitos do Homem.
O que eles não querem é largar a teta, enquanto deitar alguma coisa. Quem não os conhecer que os compre!