sábado, 28 de fevereiro de 2015

Medicina na aldeia

Um velho médico que sempre trabalhara no meio rural, achou que tinha chegado a hora de se aposentar após ter exercido Medicina por mais de 50 anos.
Encontrou um jovem médico para o seu lugar e sugeriu ao novo diplomado que o acompanhasse nas visitas domiciliárias para que as pessoas se habituassem a ele progressivamente.
Na primeira casa uma mulher queixou-se que lhe doía muito o estômago e o velho médico respondeu-lhe:
- Sabe, a causa provável é que você abusou das frutas frescas. Porque não reduz a quantidade que consome?
Quando eles saíram da casa o jovem disse:
- O senhor nem sequer examinou aquela mulher, como conseguiu chegar ao diagnóstico assim tão rapidamente?
- Oh, nem valia a pena examiná-la... Você notou que eu deixei cair o estetoscópio no chão? Quando me baixei para o apanhar, notei que havia meia dúzia de cascas de manga um pouco verdes no balde do lixo.
É provável que isso lhe tenha causado as dores. Na próxima visita você encarrega-se do exame.
- Hum... Que esperteza! Eu vou tentar empregar essa técnica.
Na casa seguinte, passam vários minutos a falar com uma mulher ainda jovem que se queixava de uma grande fadiga:
- Eu sinto-me completamente sem forças.
O jovem médico disse-lhe então:
- Você deu provavelmente muito de si para a Igreja. Se reduzir essa actividade talvez recupere um pouco da sua energia.
Assim que deixaram aquela casa, o velho médico questionou o novato:
- O seu diagnóstico surpreendeu-me. Como é que chegou à conclusão de que aquela mulher se dava de corpo e alma aos trabalhos religiosos?
- Eu apliquei a mesma técnica que o senhor me indicou: deixei cair o meu estetoscópio e quando me baixei para o apanhar, vi o padre debaixo da cama!

1 comentário:

Edumanes disse...

Boa jogada certeira,
tanto dum como do outro
danadinha para brincadeira
gosta dele direito não torto!

Tu amigo Artur,
da matéria entendedor
lembras-te ainda de Catur
daqui te envio um louvor!

Porque és meceredor,
aí tão longe da tua terra
lutaste e foste vencedor
voltaste são a salvo da guerra!

Continuas um bom rapaz,
como sempre bem disposto
o que sobra falta não faz
faz mais falta o sol de Agosto!

Bom domingo para ti amigo Artur.