segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Tempo ao tempo

Sejamos pragmáticos e não demagogos!
Comparar Passos Coelho a Sócrates só por desonestidade intelectual.
Os pedidos de Passos Coelho para que fosse feita uma auditoria exaustiva às contas do Estado e a menção de "esqueletos no armário" provocou uma tremenda indignação por parte dos pró ceres socialistas, que falavam em "contas transparentes".
A transparência vai-se descobrindo aos poucos - buraco atrás de buraco.
Chegámos ao ponto de quase não termos dinheiro para salários e despesas correntes. O Estado gastou alegremente o que não tinha, caucionado pela maioria dos portugueses. Coitadinhos, ingénuos que nós fomos! E agora quem está a limpar a porcaria que os outros deixaram é que é desonesto e mentiroso!
Tenhamos juízo e encaremos a verdadeira situação do país!
E os que fazem críticas que apontem soluções!
Casa onde não há pão... 

A. Alves

3 comentários:

TINTINAINE disse...

O seu único erro, quanto a mim, foi abrir a boca cedo demais, durante a campanha eleitoral e antes de saber exactamente o estado das finanças públicas, prometendo coisas que agora não pode realizar.
Esperemos que emende a mão e não repita o erro.

Artur Sousa (Leiria) disse...

Certo Carlos, como todos e em todo lado nas campanhas, terão que mentir como todos os concorrentes o fazem, de outra forma não conseguirão ser eleitos. Penso estar está certo, porque todos o fazem como disse. Agora a nossa importante decisão é votarmos no menos mentiroso e que seja o melhor vendedor da banha ou de gelo aos esquimós.
Um abraço.

edumanes disse...

Até certo ponto estou de acordo contigo. Mas é preciso bom senso. O que me parece não existir em Passas Coelho. Quando disse que mexer nos subsídios dos funcionários públicos seria um grande disparate. Agora para se desculpar, veio dizer que nunca pensou em tomar tais medidas. Então se desconhecia deveria ter ficado de boca calada.
A minha indignação é a forma como ele pretende pagar a divida, sem olhar às consequências que acarretam para as pessoas. Estou de acordo que a divida tem que ser liquidada, mas não desta maneira. Porque não corte só um dos subsídios?
Podendo recorrer a outros meios menos dolorosos.
Com estas medidas a economia do país vai recuar, só um cego é que não vê isso, mas sente e sabe, infelizmente, que isso vai acontecer.
Já se vai notando o movimento das compras nos estabelecimentos comerciais. Se não houver consumo, também não haverá produção, logo causa desemprego e o desemprego nos conduz à miséria.Da miséria à insegurança, da insegurança à violência. Esta vai ser a governação de Passas Coelho. Que penso não chegar ao fim da legislatura, porque o casamento com o CDS/PP, não será duradouro.

Um abraço
Eduardo.